Em Conflito

I’ll never have any children, I’d bear them and eat them, my children. — I Am Not Afraid

No momento, estou escutando o último álbum de um dos meus músicos favoritos de todos os tempos: Owen Pallett. Ele já colaborou com todo mundo que você puder imaginar (de Arcade Fire até Taylor Swift) porque é um violinista, pianista e maestro incrível. Aí, quando os músicos e bandas querem colocar cordas ou alguma coisa de música clássica em seus álbuns, acabam chamando o Owen.

We tried to rule the world but we couldn’t get beyond the front door. — On a Path

Mas, apesar de acreditar que todo mundo já escutou ele por causa desse monte de parcerias, o trabalho solo dele é muito pouco conhecido. Uma grande injustiça, porque quando o assunto é Chamber/Baroque Pop, ele é um dos melhores do ramo atualmente.

There’s a gap between what a man want and what a man will receive. — Song for Five & Six

Acontece que o Owen não compõe músicas chicletes, e mesmo músicas mais pops e acessíveis são minorias em sua discografia. Ele é extremamente talentoso para escrever melodias, mas elas demoram para fazer sentido dentro da sua cabeça. Juntando isso ao fato de que suas letras são quase charadas para serem resolvidas e o fato de que ele canta baixo, de uma maneira quase monótona, e muitas vezes é difícil de escutar a voz dele porque ela se mistura com os outros instrumentos (como se fosse realmente só mais um elemento na música, o que é, na verdade), acredito que dá pra se ter uma ideia do porquê das músicas do Owen não serem muito acessíveis.

And if your mother doesn’t answer then give me a call. Here’s my number 854-4784. — The Secret Seven

Esse álbum que estou escutando no momento, chamado In Conflit, não é diferente. O que ele fez, como sempre faz a cada vez que lança algo novo, é ir um passo além e incorporar outros elementos para a sua música, especialmente na parte instrumental. Muito do primeiro (Has a Good Home) e segundo álbum (He Poos Clouds) dele (quando ainda usava o nome de Final Fantasy… sim, por causa dos jogos!) era apenas voz e violino, até porque era o que ele usava em seus shows. Mas ele começou a experimentar com mais instrumentos no terceiro disco, Heartland, e continua nesse caminho em In Conflit.

I said I was the sky behind the flag.  — The Sky Behind the Flag

Além disso, o Owen não costuma, ao contrário da maioria dos compositores, escrever sobre sua vida. As inspirações para as letras de suas músicas vão desde videogame (zelda, final fantasy) até universos ficcionais onde o personagem da música descobre que é apenas um personagem em uma música do próprio Owen Pallett. Mas, em In Conflit, ele resolveu escrever se baseando em alguns acontecimentos específicos de sua vida, o que trás um ar bem diferente em comparação com os outros.

And the world’ll forget any good you have done. — The Riverbed

As frases inseridas no post são frases que gostei de algumas músicas de In Conflit, com links para quem quiser ouvir. E, porque acho que mais gente deveria conhecer o trabalho do Owen, deixo também o video dele tocando algumas das músicas do álbum novo (e uma de um antigo).

Advertisements
Tagged , , , , , , , , , , ,

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: