Monthly Archives: June 2016

Como é ter ansiedade funcional

Traduzi um texto escrito pela Sarah Schuster para o The Mighty que falou comigo profundamente.

Ansiedade funcional é como…

Conquista. Trabalho. Perfeccionismo.

Quando escapa, se transforma em hábitos nervosos. Unhas roídas. Pés batendo. Mãos passando pelos meus cabelos.

Se você olhar de perto, consegue ver nas minhas respostas em mensagens de texto. Escamosas. Risada nervosa. O pânico que escapa dos meus olhos quando os planos mudam. Quando qualquer coisa muda.

Ansiedade funcional é como…

Uma cobra subindo pelas minhas costas, se enrolando e apertando onde meus ombros encontram o pescoço. Soco no estômago dolorido, como se meu corpo estivesse confundindo responder um e-mail com ser atacado por um leão.

Ansiedade funcional é como…

Você não é bom o suficiente. Você é um péssimo amigo. Você não é bom no seu trabalho. Você está desperdiçando tempo. Você é um desperdício de tempo. Seu namorado não te ama. Você é tão carente. O que você está fazendo consigo mesmo? Por que você disse isso? E se eles odiarem? Por que você não consegue se recompor? Você vai ficar ansioso e porque você vai ficar ansioso, você vai estragar tudo. Você é uma fraude. Você só finge muito bem. Você está decepcionado todo mundo. Ninguém aqui gosta de você.

Tudo isso, enquanto você parece perfeitamente calmo.

É como estar sempre procurando um escape, algo para canalizar a sua energia que nunca acaba. Escrever. Correr. Fazer listas. Tarefas idiotas (qualquer coisa que te ocupe). Polichinelo na cozinha. Dançar na sala, fingindo que é por diversão, quando na verdade é uma coreografada rotina de desespero na intenção de tentar cansar os pensamentos presos na sua cabeça.

São ataques de ansiedade silenciosos, escondidos em sorrisos.

É sempre se manter ocupado mas sempre estar evitando, então as coisas importantes nunca são finalizadas. É deixar tudo empilhar ao invés de admitir que é demais para você, ou que você precisa de ajuda.

É dizer aquela coisa errada, aquela que começa os círculos de pensamentos. Porque você falou demais, e ninguém se importa, e você nunca mais vai querer falar novamente.

É ficar pensando sem parar sobre as pessoas que estão melhores que você, e depois se sentir mal porque e aquele monte de pessoas que estão piores?

Se recomponha.

Engula o choro.

Você não está bem, você está estragando tudo.

Você está bem, pare de fazer manha.

É acordar no meio da noite chorando porque o pior cenário passou pela sua cabeça em velocidade máxima e pareceu tão real, tão vívido, que até mesmo quando se mostra de mentira, leva horas para o seu coração desacelerar, para se acalmar novamente.

Porque o quão “bem” você está quando um dia sem planejamento é o suficiente para te fazer desabar? Quando espaços vazios te fazem entrar na espiral de antecipação de estar sozinho com seus pensamentos? Quando você precisa fazer uma lista de como viver um domingo: assistir um seriado, limpar sua cozinha, exercícios, responder cinco e-mails, ler 10 páginas, assistir um seriado…?

É se sentir desqualificado para escrever esse texto porque eu estou me segurando. É quando você é sociável o suficiente para ser convidado, mas geralmente acaba num local onde a sensação é que ninguém te conhece. É ser bom de conversa e ruim em fazer amigos porque você só os encontra quando se sente “bem” o suficiente. Só responder a mensagem quando se está pronto. Porque você tem medo, eles vão te odiar se realmente te conhecerem. Que a sua energia vai ser demais para eles, e você vai perder todos.

Então você aprendeu a controlar. Direcionar. Mas mesmo quando você faz tudo certo (exercícios, dormir, um seriado, cinco e-mails, 10 páginas…), algumas vezes você ainda tem os pensamentos acelerados, o pânico. O não bom o bastante.

Quando vai ser o bastante?

Ter ansiedade significa controlar uma energia que pode ser produtiva ou auto-destrutiva, dependendo do quanto você dorme. Dependendo do dia. Dependendo do alinhamento da Terra com Marte. Dependendo de…

É quando “viver com isso” significa aprender a aguentar firme. Praticar ficar na cama um pouco mais. Desafiar as vozes maldosas e incansáveis que dizem que seu valor depende do quanto você produziu naquele dia.

Significa aprender a dizer “eu preciso de ajuda”. Tentar cuidar de si mesmo sem culpa. Significa, às vezes, desabafar com um amigo. Significa, às vezes, ir em frente mesmo quando você tem medo.

É quando responder uma mensagem de texto impulsivamente e sem pensar é um ato de bravura.

É lutar contra a sua própria necessidade constante de provar seu direito de existir no mundo.

É aprender a validar seus próprios sentimentos. É, mesmo quando você sente que não é o suficiente, que você nunca vai ser o suficiente, saber que você no mínimo está ansioso o suficiente para receber ajuda. Admitir que você precisa de ajuda não é confirmar as mentiras que as vozes contam. Tirar férias não significa que você é um fracasso.

É encontrar sua própria humanidade dentro da ansiedade, nas suas fraquezas. É deixar essa energia te inspirar, ao invés de te destruir. É perdoar a si mesmo quando a ansiedade ganha.

É um jeito de viver, com uma companhia constante. Seu gêmeo que faz bullying. Uma bagagem pesada que você pode enterrar em um momento. Colocar embaixo da cama. Fingir que não está lá até que você não consiga mais achar. Até que você não possa mais ignorar. Até que você tenha que enfrentar.

Um bom primeiro passo é olhar na cara e chamar pelo nome.

Ansiedade funcional pode ser uma consequência natural de um estilo de vida ocupado, mas é aquela história do ovo e a galinha. Qual veio primeiro, a ansiedade ou o trabalho? Eu estou sempre estressado por que estou ansioso ou estou sempre ansioso por que estou sempre estressado?

Seja o que for, não é uma forma nobre de sofrer. Não é uma forma “melhor” de estar ansioso. Só porque você é “funcional” não significa que é feliz. E só porque você é funcional, não significa que você não deva desacelerar, respirar e tirar um maldito segundo para ficar feliz pelas coisas boas.

Neste momento.

Quieto, curto momento.

Lembre da paz que você encontrou neste segundo de silêncio, até a eletricidade começar se novo e você seja forçado a continuar.

Tagged , , ,