Monthly Archives: January 2017

“And the queen, she’s gone round the bend”

thecrownnetflix

Eu, normalmente, não me interesso muito por dramas de época mas li tanta coisa boa sobre esta série que decidi assistir. O primeiro episódio não é grande coisa. Esteticamente é lindo, como a série inteira, mas não acerta o ritmo e não é muito feliz da forma como apresenta os personagens (meio confuso, sem nada marcante e você esquece a maioria no fim do episódio, se perguntando quem é quem no capítulo seguinte). A partir do segundo episódio, no entanto, The Crown encontra seu ritmo e suas maiores forças narrativas.

Estruturado em 10 episódios de mais ou menos uma hora cada, o seriado conta a história de como a rainha Elizabeth II subiu ao trono e quais as dificuldades que enfrentou nesse começo de reinado. Com certeza, 99% das pessoas assistindo a série não conseguiriam se identificar com o cotidiano dos personagens (ainda mais quem não é inglês e não cresceu com a família real como fonte de fofocas), por isso a decisão de usar isso como contexto para contar histórias familiares é muito acertada.

maxresdefault

The Crown usa a coroa para contar a história de uma jovem dividida que precisa crescer para vestir o papel que lhe foi imposto, muitas vezes passar por cima dos sentimentos dos outros e dos seus próprios sentimentos na hora de tomar decisões; conta a história do primeiro ministro Winston Churchill, um senhor de quase 80 que se recusa a enxergar que já não tem mais condições de fazer tudo o que fazia quando mais novo; conta a história do duque Philip, casado com Elizabeth, que vai se sentindo cada vez mais emasculado a medida que sua esposa ganha poder e confiança; conta a história da princesa Margaret, dona de uma personalidade forte e enorme carisma, vivendo algo que parece ser o início da culto às celebridades ao mesmo tempo em que não consegue se libertar das amarras que veem junto ao fato de ser irmã da rainha.

Cada episódio é centrado em um episódio específico, então a impressão é de estarmos vendo 10 filmes que, juntos, contam uma história maior. Criada por Peter Morgan, roteirista de A Rainha, filme onde ele mostrou a vulnerabilidade discreta por trás da frieza; dessa vez, ele se concentra em nos mostrar como ela precisou se fechar para sobreviver sob os holofotes.


x-company-s3-neil-jack-aurora

Sobre o que estou assistindo: Ontem começou a terceira e última temporada de X Company.  Minha opinião é aquela de que é melhor acabar antes do nível baixar e, considerando o contexto em que a série se passa (espiões canadenses sabotando nazistas na Europa durante a Segunda Guerra Mundial), não dava para fazer algo que durasse 10 temporadas sem que os telespectadores perdessem a suspensão da descrença. Segundo os criadores, eles não querem contar a história da guerra, mas sim deste grupo de espiões e sua relação com um tenente nazista que, algo que está sendo construído desde o primeiro episódio. Espero que mantenha o nível da segunda temporada, que foi excelente.


1cvr97807435465229780743546522hrjpg-bf096a_1280w

Sobre o que estou lendo: Estou quase na metade do primeiro livro de 2017: Agência de Investigações Holísticas Dirk Gently, do Douglas Adams. Estou gostando muito, o que não é nenhuma surpresa, porque eu sou fã da voz e do estilo do Douglas Adams. E é engraçado demais, como ele também é mestre em fazer. O mais surpreendente é que o personagem título só aparece lá para a página 100 e pouco do livro. Gostando muito, por enquanto.

 

 

Tagged , , , , , , , , , ,